sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Os Desafios do Nosso Obama...

Cara de um, focinho do outro?

Bom, como de política e situação econômica não há escapatória, comento sobre os desafios do nosso "OBAMA"...
Recentemente nosso presidente disse que não lia jornais para não ficar mal do fígado. Sábia decisão. Realmente, más notícias fazem mal à saúde. Mas, me pergunto se nosso presidente trabalhasse com mais afinco, não faria boas notícias ??? Naaaa... É melhor esconder a cabeça na terra, como o avestruz, e, esperar passar o mau tempo, não é mesmo???
Na esteira das más notícias, temos o anúncio de que foram extintos 655 mil postos de trabalho, isso só no mês de dezembro de 2008. Esses são os primeiros indícios da chegada da crise americana, que, impiedosa, vai começando os seus estragos. E, essa inesperada torrente de infortúnios pegou a ministra Dilma Roussef de calças curtas, já que todo o esforço que era reservado ao PAC(a verdadeira promoção de palanque da pré-candidata à presidência), agora, ficará direcionado para tapar os buracos da crise. Pena... Já que nem com lifting ela consegue mudar a imagem, bem antipática, diga-se de passagem. E, nem com toda a aprovação que o presidente Lula tem, vai poder passar os votos para ela... É... A inesperada crise já começa fazendo as primeiras vítimas.
Mas, voltemos ao Obama americano. No seu primeiro dia de trabalho, diversas medidas de impacto:
  • Obama estabeleceu o prazo de um ano para a desativação de Guantánamo e ainda proibiu o tratamento violento aos suspeitos de terrorismo detidos lá. É, a prisão de Guantánamo, onde prisioneiros ficam detidos sem acusação formal. Aquela famosa das fotos de tortura que correram a internet.
  • Congelar os salários de 100 empregados da Casa Branca que ganham mais de US$ 100 mil por ano. Ele disse: "famílias estão apertando os cintos e assim deve fazer Washington".
  • Também regulou as ações de lobby(algo que é regulamentado nos EUA e é muito mal feito por aqui): os funcionários que deixarem seu governo não poderão fazer lobby na Casa Branca enquanto ele for presidente. Obama também anunciou a proibição aos presentes dos lobistas.
Agora, vendo todas essas medidas, me pergunto, quais medidas nosso "Obama" decretaria ???
Se eu posso sonhar(já que sonhos são grátis), gostaria destas:
  • Extinguir ou limitar o cartão corporativo. Chega de farra com contas que, no fim, nós pagamos...
  • Limitar os "cargos de confiança", que, de uma média de 23,8 cargos criados por mês, no primeiro mandato, em agosto de 2007 estava na média de 179, 7 cargos. Realmente, é bom criar postos de trabalho, mas assim é ridículo...
  • Evitar criar ministérios para os amigos, como foi o caso de um ministério criado sob medida para um famoso integrante petista derrotado do RS.
  • Investigar a fusão da Oi Telemar com a Embratel, coisa que era impossível. Até a regulamentação da ANATEL teve que ser... Corrigida... Mas, quando vemos que Lulinha é um dos acionistas da Oi... Não... Acho que não vão investigar não...
Ahhh, mas se o nosso "Obama" fizesse isso... Ficaria na história. Mais do que o Obama deles...

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ocorre que nosso presidente tenta passar uma imagem de tranquilidade ante a tempestade internacional, e brada, a plenos pulmões que tem 220 bilhões de sobra de caixa para investir na economia. Que o Brasil está blindado. Ok. Ele está fazendo o papel dele. A verdade, no entanto, é outra. A se continuar o socorro à instituições financeiras quebradas(como foi o caso de diversas aquisições pelo Banco do Brasil, de bancos menores, como a NOSSA CAIXA,em São Paulo), esses 220 bilhões vão ir num tapa. E, é claro, não adianta mandar o povo consumir, se este já não tem poder aquisitivo, pra começar.
    A crise ainda nem está soprando a plenas velas, e analistas internacionais dão um prazo de 2 anos e meio a 3 anos para haver uma estabilização. Enquanto isso, férias coletivas e diminuição de jornadas de trabalho. A onda pior deste tsunami ainda não chegou por aqui...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Consumo interno até se tem. Só não se tem poder aquisitivo. Então, se cai novamente no paradoxo de Tostines: Consumir para crescer, mas, se não tem como consumir, como crescer ??? E tem mais, a grande massa, classe C e D, consumiria produtos populares, (1,99 me vem a cabeça) e comida(o frango foi o herói do plano real, lembra?). E o resto??? E nossas fábricas de automóveis, com os carros mais baratos a R$25 mil reais(muito longe de nossa massa). Como ficam? Até nisso os indianos saíram na nossa frente, com o carro de US$2.500.
    Não é de espantar que a Índia vai ficar na nossa frente nessa crise, e, nosso país vai comer poeira mais uma vez. Menos por nossa incompetência e mais pela falta de visão de nossos mandatários...

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir